Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Parabéns SPORTING!

 

Retirado do site oficial do nosso Sporting

 

RESUMO DA HISTÓRIA DO SPORTING

Cem anos em cinco mil palavras
Durante um século de existência, as equipas e os atletas do Sporting conquistaram 50 medalhas de ouro olímpicas, mundiais ou continentais, além de numerosas distinções de prata e bronze no mesmo âmbito e dezenas de milhar de títulos nacionais e distritais. Poucos clubes do mundo poderão orgulhar-se de tantos êxitos, seguramente não há outro ao nível nacional. O Sporting é igualmente, a seguir ao Barcelona, o Clube com mais títulos europeus no conjunto das modalidades que pratica.

Nos dias da fundação, em 1906, José Alvalade profetizou o conhecido desejo de transformar o Sporting num «grande clube, tão grande como os maiores da Europa». Hoje, passado um século, é extraordinário registar a confiança manifestada desde logo por José Alvalade nos princípios, nos valores, na vocação ganhadora e no ambicioso espírito desportivo manifestado pelos fundadores. Ousando desbravar caminhos muito mal conhecidos quando o desporto, em Portugal, era ainda uma actividade incipiente, com características muito elitistas, os primeiros sportinguistas conseguiram fixar bem fundo as raízes de uma colectividade poderosíssima projectada ao nível mundial, como é hoje o Sporting. Além dos títulos, mais de três milhões de adeptos em todos os continentes, um número superior a 300 Núcleos, Filiais e Delegações e uma pujante dinâmica ganhadora demonstrada todos os dias falam por si.

Em Belas, a pré-história
Tudo começou nos alvores tão românticos como turbulentos do século XX, em 1902, quando um grupo de jovens veraneantes em Belas, então um bucólico e ainda distante subúrbio de Lisboa, decidiram fundar um club e disputar um jogo de foot-ball (assim se designava a modalidade) em Seteais integrado nas festas populares de Sintra. Foi um jogo muito animado e com frequência considerada distinta – figuras da família real estiveram presentes – disputado entre o Sport Club de Belas, a designação que os desportistas em férias tinham dado à sua colectividade, e um grupo de Sintra. Vitória por 3-0 do Belas, no qual se destacavam os irmãos Gavazzo, Francisco e José Maria, entre outros desportistas de então, todos eles qualificados pela imprensa como “elementos de boas famílias”, como então se dizia. O Diário de Notícias informou sobre o acontecimento relatando que «num círculo compacto assistiam mais de quatro mil pessoas, cheias de animação e de interesse».

O Sport Club de Belas foi um sonho de Verão que se esfumou terminadas as férias, mas não morreu. O jogo em Sintra, realizado em 26 de Agosto de 1902, foi marco único; porém, os ideais que motivaram os intervenientes continuaram bem vivos. Os jovens veraneantes, pouco mais do que adolescentes, regressaram ao quotidiano lisboeta sonhando com os ecos dos sports no estrangeiro, principalmente França e Inglaterra, mantendo-se em contacto pois muitos deles partilhavam a área residencial do Campo Grande e frequentavam tertúlia na Pastelaria Bijou, que ainda hoje existe na Avenida da Liberdade. Foi aí que, quase dois anos depois da experiência de Belas, em 1904, os jovens amantes do desporto e do convívio ao ar livre decidiram voltar ao terreno e fundar o Campo Grande Football Club. Outros dos convivas daquele Verão de 1902 nos subúrbios tinham anteriormente metido mãos à obra e fundado o Clube Internacional de Futebol, o histórico CIF agora com as suas instalações em Monsanto.

A sede do Campo Grande Football Club ficou instalada num quarto do segundo andar do Solar dos Pinto da Cunha, edifício que continua a definir a esquina entre a Alameda das Linhas de Torres e o Campo Grande. Além dos irmãos Gavazzo, participaram na reunião fundadora o jovem José Holtreman Roquette (José Alvalade), José Stromp e outros entusiastas da prática desportiva. O Visconde de Alvalade, José Alfredo Holtreman, avô de José Alvalade, patriarca da família então já a caminho dos 70 anos, foi designado presidente, a título honorífico, pelo seu apoio desinteressado e a sua capacidade natural de entender e incentivar os anseios e espírito de iniciativa do neto e respectivos amigos.

Futebol, esgrima, ténis, corridas, saltos, festas sociais e piqueniques foram as principais actividades dinamizadas pelo novo clube durante os primeiros dois anos de existência.

A fundação
Em 1906 os ambientes turvaram-se e gerou-se uma divisão entre os membros que defendiam uma colectividade vocacionada para festas e actividades de convívio social e outros que insistiam na dedicação à vertente desportiva. Explica Júlio de Araújo, mais tarde presidente do Sporting, historiando o processo da fundação, que «dia-a-dia se acentuavam duas tendências: a dos rapazes de Lisboa, que desejavam a sede na Baixa; outra, a dos do Campo Grande, que a pretendiam naquele local, como seria justo e aconselhável». Além disso, de acordo ainda com a narrativa de Júlio de Araújo, «o desentendimento prevaleceu não somente quanto à sede, mas também quanto à forma de ser do Clube, visto que os de Lisboa, ao contrário dos do Campo Grande, mais se interessavam pelas festas do que pelas práticas desportivas».

Da turbulência nasceu uma cisão. José Gavazzo demitiu-se, acompanhado por mais cerca de duas dezenas de membros. Um deles foi José Alvalade que, sem demora, anunciou: «Vou ter com o meu avô e ele me dará dinheiro para fazer outro Clube.»

Decisão que foi recompensada. O Visconde de Alvalade tutelou a criação do novo clube, depositou nas mãos do neto uma importante quantia em dinheiro, disponibilizou os terrenos para o campo de jogos na sua própria quinta – o Sporting ainda hoje continua a “morar” na mesma zona – e ficou como presidente da Direcção e como “Sócio Protector”. Foi então que o jovem José Alvalade, num rasgo de entusiasmo aliado ao êxito das suas iniciativas, mas que se revelou de grande visão histórica, proferiu o célebre voto: «Queremos que este Clube seja um grande clube, tão grande como os maiores da Europa.»

Em 14 de Abril de 1906 a recém-criada colectividade adoptou a designação provisória de Campo Grande Sporting Club. A 1 de Julho do mesmo ano, por sugestão de António Félix da Costa Júnior, passou a chamar-se Sporting Clube de Portugal. Em Julho de 1920, por proposta de Nuno Soares Júnior, a Assembleia Geral adoptou a data de 1 de Julho de 1906 como a da fundação oficial do Sporting. Foram 18 os fundadores a quem se deve essa enorme gesta que agora celebra um século.

Ambição e dinâmica de vitória
O Sporting Clube de Portugal comemorou, portanto, cem anos bem contados, com respeito pelo rigor histórico. Outros somam anos a partir da fundação de entidades que lhes deram origem ou ignoram longos períodos de inactividade que se seguiram a uma efémera existência. São critérios. Para ser mais “idoso”, como outros se dizem, o Sporting poderia ter fixado como data da sua fundação a do Sport Club de Belas (1902) ou mesmo a do Campo Grande Sporting Club (1904), mas não o fez.

Nesses dias de 1906 ficou traçado o caminho: futebol sim, mas eclectismo também, correspondendo à vocação atlética multidisciplinar de alguns dos seus fundadores. Eles eram ao mesmo tempo dirigentes e atletas, jogavam futebol, faziam atletismo, praticavam ténis, tracção à corda, esgrima, críquete, ginástica, hóquei em campo...

Em 1907, D. Fernando de Castelo Branco (Pombeiro) autorizou que o leão rampante do seu brasão fosse utilizado como símbolo do Sporting, desde que não sobre fundo azul. «... Não de oiro armado de vermelho em campo azul, como nos Pombeiros, mas de prata armado em preto, em campo verde, como correspondia às límpidas, firmes e esperançadas intenções dos seus fundadores», recorda Júlio de Araújo. O verde fora, de facto, sugerido pelo Visconde de Alvalade, simbolizando a sua esperança no novo clube.

A 3 de Fevereiro de 1907 realizou-se o primeiro jogo de futebol do Sporting. Não se pode dizer que tenha estado à altura dos êxitos vindouros: derrota por 5-1, em segundas categorias, frente ao Cruz Negra, em partida disputada em Alcântara. Do lado dos vencedores jogaram alguns desportistas que depois ingressaram no Sporting: Alípio da Motta Veiga, Octávio Teixeira Bastos, António das Neves Vital, entre outros. D. João de Vila Franca marcou o golo de honra desse jogo, que assim se tornou o primeiro da História do Sporting.

Em 1 de Dezembro de 1907 nasceu uma longa e eterna rivalidade. O Sporting Clube de Portugal e o Sport Lisboa (que só viria a designar-se Benfica no ano seguinte) disputaram o seu primeiro jogo de futebol, no Campo da Quinta Nova, em Sete Rios. O Sporting, que nos primeiros tempos vestira de branco, estreou nesse encontro o seu equipamento de camisola bipartida verticalmente numa faixa verde e outra branca, com calções brancos, agora adoptado como um dos modelos solenes para as comemorações do Centenário. Ficou conhecido como “equipamento Stromp”, homenagem popular sportinguista a Francisco Stromp, um grande futebolista e um dos mais eclécticos desportistas portugueses de todos os tempos. O Sporting venceu por 2-1 e Cândido Rosa Rodrigues, um dos irmãos Catatau, antigo praticante do Sport Lisboa, marcou pelos “leões” o primeiro golo dos muitos jogos entre os dois grandes rivais do desporto português. Em 1907-1908 o Sporting sagrou-se vice-campeão regional.

O clube já dispunha, nessa altura, daquele que era considerado o melhor campo de Portugal, no Sítio das Mouras. Localizava-se no nº 73 da então Alameda do Lumiar, hoje Alameda das Linhas de Torres, em terrenos disponibilizados pelo Visconde de Alvalade na sua quinta. Começou a funcionar ainda em Maio de 1906 e foi melhorado logo em 1907. O complexo desportivo integrava campo de futebol, pista de atletismo, dois campos de ténis, pavilhão com chuveiros e banhos de imersão e até uma cozinha. Um luxo para o tempo.

Em 1910 o eclectismo estava enraizado. O Sporting evidenciava-se em ténis por equipas e ganhou os títulos do salto à vara, do lançamento do peso e do salto em comprimento. Este foi o ano em que José Alvalade assumiu a presidência, que manteve até 1916.

Os triunfos iniciais
O rumo do clube estava traçado: o das vitórias. O Sporting ganhou o seu primeiro Campeonato de Lisboa de Futebol, ainda em quartas categorias, no ano de 1912. O feito foi reeditado em 1915, mas já na categoria de Honra, a que se juntou a Taça de Honra, com vitória sobre o Benfica na final (3-1). O Campeonato de Lisboa de 1915 foi o primeiro de uma longa série de 19 (chegaram a ser seis consecutivos) ganhos até 1947, quando a competição foi extinta. Ainda em 1915, as equipas do Sporting passaram a usar calções pretos com a camisola “Stromp”.

Laranjeira Guerra venceu o Porto-Lisboa em ciclismo no ano de 1912, competição que também era uma epopeia com as estradas, os meios e os equipamentos de então, tornando-se um precursor de ciclistas brilhantes como Alfredo Trindade, João Roque, Leonel Miranda, Marco Chagas e o maior de todos, o saudoso Joaquim Agostinho. Classificações brilhantes na Volta à França, entre elas um terceiro lugar, e um segundo lugar na Volta à Espanha – sem contar os grandes triunfos em Portugal – transformaram Agostinho numa das lendas e símbolos do Sporting.

Numa modalidade muito em voga à época, a luta de tracção à corda, o Sporting revelou-se a grande potência: nunca foi derrotado enquanto se realizaram competições da especialidade.

Ainda no ano de 1912, o também polivalente António Stromp brilhou nas provas de 100 (quarto lugar na eliminatória) e 200 metros dos Jogos Olímpicos de Estocolmo, que foram fatais para o maratonista português Francisco Lázaro. António Stromp foi pois o primeiro atleta olímpico sportinguista, iniciando uma caminhada que transformou o Clube na maior potência olímpica do País, tanto em número de representantes como de medalhas conquistadas. Também em 1912 o Sporting venceu o primeiro da longa série de Campeonatos Nacionais de Corta-Mato.

Em 1917 o Sporting mudou de instalações. José Alvalade fizera construir o Stadium de Lisboa, em 1914, mas divergências quanto à sua utilização entre o fundador e a Direcção eleita em 1916 levaram os responsáveis sportinguistas em exercício a procurar outra solução. Arrendaram um terreno nas vizinhanças, no Campo Grande 412, e aí construíram um estádio sob projecto do arquitecto António do Couto, que foi a casa do Sporting durante 30 anos. A vida do recinto, porém, prolongou-se por mais algumas décadas pois foi utilizado pelo Benfica, com solidariedade do Sporting, quando se mudou das Amoreiras. Ficou popularmente conhecido pela “estância de madeira”. Em parte do terreno onde existiu assenta hoje a área sul do Estádio José Alvalade.

O primeiro Campeonato, um novo equipamento
Nos anos vinte aconteceu a primeira vitória do Sporting no Campeonato de Portugal de futebol (1922/23), a competição que atribuía o título nacional, embora disputada em sistema de eliminatórias. O jogo decisivo foi em Faro, em 24 de Junho de 1923, com uma vitória por 3-0 frente à Académica de Coimbra.  Os campeões: Torres Pereira, Jaime Gonçalves, Francisco Stromp, João Francisco Maia, Carlos Fernandes, José Leandro, Filipe dos Santos, Joaquim Ferreira, Cipriano dos Santos, Jorge Vieira e Henrique Portela. Joaquim Ferreira marcou dois golos; Francisco Stromp, lenda do Sporting e do desporto português, pioneiro dos tempos da fundação, cavalheiro e atleta sobredotado, marcou o outro e abandonaria o futebol no ano seguinte, em 1924.

As secções de natação, pólo aquático e râguebi iniciaram então a actividade. Foram o histórico atleta e dirigente Salazar Carreira e o Sporting que introduziram o râguebi em Portugal. 

Em 1928 o Sporting estreou no futebol as suas camisolas às riscas horizontais verdes e brancas, uma mudança que, em boa parte, foi proporcionada pelo râguebi. Aconteceu numa histórica viagem ao Brasil, a primeira de um clube português, e ficou a dever-se ao facto de os equipamentos às listas usados pelo râguebi serem mais frescos e estarem em melhor estado do que os do futebol – camisola bipartida verde e branca e calções pretos. Uma circunstância fortuita, como tantas vezes acontece na História, originou um modelo de equipamento que se tornou profundamente apreciado em Portugal e no estrangeiro, muito procurado pela sua originalidade. A opção pelas listas horizontais no râguebi fora sugerida pelo próprio Salazar Carreira, inspirado no equipamento de um clube francês da modalidade, o Racing de Paris, embora este utilizasse o vermelho e branco. No regresso do Brasil a equipa de futebol voltou ao vestuário original mas em Outubro de 1928, num jogo frente ao Benfica disputado sob temporal, os jogadores mudaram de equipamento ao intervalo e regressaram para a segunda parte com as camisolas do râguebi. O Sporting ganhou o jogo e... um novo equipamento.

A série de vitórias nos Campeonatos de Portugal em futebol prosseguiu nos anos trinta: 1933/34, 1935-36 e 1937-38. Nesta década, o Clube somou títulos em ténis, ciclismo, râguebi (ao nível regional), tiro, hóquei em patins (vitória no Campeonato Nacional em 1937-38, primeira edição da prova), patinagem, ginástica e esgrima.

Alfredo Trindade, com numerosos títulos em várias especialidades do ciclismo, venceu a Volta a Portugal em 1933, a primeira vitória individual e colectiva do Sporting na mais importante prova velocipédica portuguesa. Trindade ficou na história pelos seus feitos individuais mas também pela intensa rivalidade, temperada com respeito e grande amizade, com o benfiquista José Maria Nicolau. Os seus duelos empolgaram os portugueses de então, mesmo sem a dinâmica mediática que hoje existe. José Albuquerque, o “Faísca”, venceu a Volta a Portugal de 1940.

O lendário avançado-centro Fernando Peyroteo, que ingressara no Sporting em 1937, emergiu em 1938 como melhor marcador do Campeonato da I Liga, com 34 golos. Ele viria a ser uma figura central dos anos de ouro que se seguiram.

Anos de ouro
Os anos de quarenta e cinquenta foram fabulosos para o Sporting. Dez dos 18 títulos de Campeão Nacional de Futebol conquistados pelo Sporting até hoje aconteceram nesses 20 anos, aos quais se juntaram quatro das 13 Taças de Portugal que figuram no quadro de honra do Clube. De 1946-47 a 1953-54 o Sporting venceu sete dos oito campeonatos em disputa, juntando um tricampeonato e um tetracampeonato – ficando a época de 1949-50 de permeio. Foram os anos dos “Cinco Violinos”, de grandes e históricas equipas que conquistaram enorme fama nacional e internacional, de técnicos como José Szabo, Kelly, Galloway, Cândido de Oliveira, Armando Ferreira, Enrique Fernandez e outros. A designação “Cinco Violinos” foi atribuída pelo jornalista e treinador Tavares da Silva a uma linha avançada formada por Jesus Correia, Vasques, Peyroteo, Travassos e Albano. Eles e os seus companheiros formavam uma orquestra a jogar, tal o espírito colectivo e a eficácia em campo. Nesses anos o Sporting chegou aos 123 golos (quase cinco por jogo!) num campeonato que tinha então 26 jornadas, menos oito que actualmente. Um recorde que dificilmente será batido.

Além dos campeonatos nacionais e das taças de Portugal, as equipas do Sporting somaram vitórias em iniciativas pontuais como a taça “O Século”, competição suprimida sem explicações depois de os “leões” terem conquistado os dois primeiros monumentais troféus, e a taça Império.

Esses tempos foram de tal maneira impressionantes aquém e além-fronteiras que, apesar de não ser então campeão nacional em título, o Sporting foi convidado para participar na primeira edição da Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1955-56. Foi pena que a UEFA não tivesse lançado a competição alguns anos mais cedo... Para a História fica ainda o facto de o Sporting ter inaugurado a Taça dos Campeões num jogo com o Partizan de Belgrado (3-3), no Estádio Nacional. João Martins marcou o primeiro golo desta histórica e hoje milionária competição.

O tetracampeonato do Sporting, o primeiro do futebol português, arrancou em 1950-51 com os seguintes jogadores:  Mário Wilson, Juca, Jesus Correia, Manuel Passos, Juvenal, Vasques, Galileu, Veríssimo, Travassos, Martins, Tormenta, Carlos Gomes, Leandro, Caldeira, Barros, Canário, José Travassos, César Nascimento, Anacleto, Manuel Marques, Pacheco Nobre, Mateus e Pacheco. O treinador era o britânico Randolph Galloway, que tinha como adjunto Fernando Vaz.

Em 1955 José Travassos foi o primeiro futebolista português a ser convocado para uma Selecção da Europa. Jogou em Belfast perante a equipa da Grã-Bretanha e mereceu referências muito elogiosas da imprensa internacional, assim conquistando para sempre o cognome de “Zé da Europa”.

A depois célebre escola de futebol do Sporting começava já a marcar posição. O clube ganhou o primeiro Campeonato Nacional de Juniores, disputado em 1938-39 e, até 1960, repetiu a façanha em 45-46, 47-48 e 55-56.

No atletismo, o Sporting começou em 1941 a sua inigualável colheita de Campeonatos Nacionais em pista, que hoje prossegue galopante: 12 entre 1940 e 1960. Em corta-mato, ou crosse, foram dez as vitórias colectivas no mesmo período.

Francisco Inácio venceu a Volta a Portugal em 1941, mas os títulos nacionais em estrada e em pista vão bastante para além disso.

De notar que em 1945 o Sporting fundou as primeiras escolas de natação em Portugal, “país de marinheiros” onde mal se nadava. O Sporting já fora pioneiro ao abrir um posto náutico no início dos anos vinte, daí as vitórias em pólo aquático nos primeiros anos da modalidade.

Em 1941 começou a era dos títulos em andebol, com a vitória no Campeonato Regional na variante de Onze, a que existia ao tempo, jogada em campos de futebol. A série de vitórias nacionais no andebol de sete foi inaugurada em 1951-52 e os 18 títulos somados até ao momento não estão ameaçados por qualquer concorrente, seja ele de longa ou fresca data.

Na década de cinquenta, além dos títulos nas modalidades de maior divulgação há a registar os conquistados em bilhar, esgrima, tiro, ténis de mesa (28 campeonatos nacionais até hoje!), badminton, automobilismo, os dois primeiros campeonatos nacionais de voleibol (53-54 e 55-56), o primeiro campeonato nacional de basquetebol, em 1956. O Sporting viria a conquistar mais sete títulos máximos nesta modalidade, entretanto extinta. No voleibol, que também deixou de se praticar no Clube, o Sporting conquistou mais quatro títulos até 1993-94.

Em 1956, a 10 de Junho, o Sporting inaugurou o Estádio José Alvalade, um feito que assinalou a grande vitalidade, a dinâmica e a capacidade de mobilização do Clube e dos seus dedicados associados, que se desdobraram em iniciativas e sacrifícios para que tal obra gigantesca fosse possível. O Sporting tinha regressado às origens, ao Stadium ou Estádio do Lumiar em 1937, arrendado em muito boas condições e depois reconstruído em 1947. Foi o cenário das récitas das equipas dos “Cinco Violinos”, que rapidamente se tornou pequeno para a extraordinária envergadura do Clube à medida que se aproximava dos seus primeiros 50 anos de vida. A necessidade de um novo estádio tornou-se premente logo no início da década de cinquenta e acabou por ser uma realidade em 1956, assentando sobre a área do antigo Stadium. Foi baptizado com o nome do fundador que teve sempre como preocupação a qualidade das instalações do Clube, José Alvalade. Aliás a designação já fora adoptada anteriormente, a partir de 1947, ao remodelado Estádio do Lumiar. O sócio nº 1 do Sporting ao tempo da inauguração do grandioso Estádio era José Maria Gavazzo, um dos fundadores e um dos jovens veraneantes de Belas em 1902.

Mais tarde, em 1983, por acção da presidência de João Rocha, concretizou-se outra das ambições sportinguistas em termos de instalações – o “fecho” do Estádio através da construção da chamada Bancada Nova, que substituiu o peão herdado do recinto anterior.

A 6 de Junho de 1960, o Sporting foi declarado Instituição de Utilidade Pública.

Manuel Faria, fundista de grande prestígio, antecessor de Manuel de Oliveira, Carlos Lopes, Fernando Mamede e dos irmãos Castro, venceu as famosas corridas de São Silvestre de São Paulo em 1957 e 1958, até então os maiores feitos do atletismo português juntamente com o quarto lugar do saltador em comprimento Álvaro Dias no Campeonato da Europa.

Glória europeia
Na década de sessenta o ponto mais alto do futebol foi a conquista da Taça Europeia dos Vencedores de Taças, em 1963-64. Uma epopeia que passou por três jogos suplementares, incluindo a final, uma vitória de 5-0 sobre o Manchester United e uma goleada de 16-1 sobre o Apoel de Chipre, que ainda hoje é recorde das competições europeias de clubes. A vitória nessa gesta, na qual poucos acreditavam à partida tanto mais que a carreira interna não era famosa, foi obra de uma equipa unida e psicologicamente fortíssima, liderada primeiro por Gentil Cardoso, depois pelo arquitecto Anselmo Fernandez, e na qual pontificavam, entre alguns outros, grandes nomes do futebol “leonino” e nacional como Carvalho, Pedro Gomes, Lino, Alexandre Batista, José Carlos, Hilário, Fernando Mendes, o grande capitão, Geo, Pérides, Osvaldo Silva, Figueiredo, Mascarenhas e João Morais, autor do canto directo em Antuérpia com o qual se decidiu o vencedor da prova.

Com a extinção da Taça das Taças na temporada de 1998-99 e respectiva fusão com a Taça UEFA, o Sporting tornou-se assim o único clube português a poder ostentar este título histórico.

Entre 1960 e 1999, a equipa de futebol venceu mais seis Campeonatos Nacionais, o último dos quais em 1981-82, e mais sete Taças de Portugal, entre elas a de 1994-95, que assinalou um regresso da equipa principal aos títulos de âmbito nacional depois de um prolongado interregno. Os juniores triunfaram em mais seis Campeonatos Nacionais, os juvenis em oito, o mesmo acontecendo com os iniciados. Os infantis conquistaram três taças nacionais, competição entretanto extinta durante a década de noventa.

Em 1974, com 46 golos, Hector Yazalde, ponta-de-lança do Sporting, conquistou a Bota de Ouro dos goleadores europeus. O seu recorde ainda hoje se mantém. Em 2002, Mário Jardel tornou-se o segundo jogador do Sporting a conquistar essa distinção europeia.

No hóquei em patins o Sporting registou uma gloriosa vaga europeia entre 1975 e 1990, com uma Taça dos Campeões Europeus – era a melhor equipa do mundo na altura –, três Taças das Taças e uma Taça CERS.
O atletismo foi e continua a ser uma constante fonte de orgulho para o Sporting. Carlos Lopes conquistou três Campeonatos Mundiais de Corta-Mato, uma medalha de ouro e uma medalha de prata em Jogos Olímpicos. O corredor do Sporting empolgou o país com a vitória na maratona olímpica de Los Angeles, em 1984. Os seus troféus foram precursores de vários outros de âmbito olímpico, mundial e europeu de que hoje o Sporting se orgulha.

Fernando Mamede foi recordista mundial dos 10 000 metros durante cinco anos e recordista europeu da mesma prova durante 15 anos. O Sporting somou entretanto, até aos dias de hoje, 14 Taças dos Campeões Europeus e 46 títulos nacionais em Corta-Mato, 43 títulos nacionais colectivos masculinos e 37 femininos em pista.

No ano 2000, a equipa de atletismo do Sporting venceu a Taça dos Clubes Campeões Europeus em pista, feito único no desporto português que foi conseguido sobre uma equipa russa que era praticamente a selecção nacional de uma das potências mundiais e olímpicas da modalidade. O glorioso triunfo foi consolidado por mais três terceiros lugares na mesma prova, confirmando o Sporting como um dos maiores e mais consistentes clubes europeus da modalidade olímpica por excelência, mantendo as equipas masculina e feminina no escalão máximo continental. Depois de Carlos Lopes, Fernando Mamede e os irmãos Castro, todos eles com medalhas e recordes internacionais, Rui Silva, Naide Gomes, Francis Obikwelu, o homem mais veloz da Europa, Yuri Bilonog e Ionela Tirlea são atletas da geração do centenário com expressão mundial que interpretam a vocação ganhadora do Sporting além-fronteiras.

O andebol, outra das modalidades com uma mística especial no Clube, conquistou um pentacampeonato entre 1968-69 e 1972-73, feito ainda por igualar em Portugal.

João Roque, Leonel Miranda, Joaquim Agostinho e Marco Chagas, entre outros,  brilharam no ciclismo, em estradas portuguesas e estrangeiras. Agostinho – terceiro lugar numa Volta à França, segundo numa Volta a Espanha, vencedor de três Voltas a Portugal – morreu a 10 de Maio de 1984, na sequência de uma queda provocada por um cão quando seguia com a camisola amarela na Volta ao Algarve, em representação do Sporting. O seu nome está perpetuado numa curva da terrível escalada do Alpe D'Huez, na Volta à França, como preito à épica vitória do ciclista português e sportinguista nessa mítica etapa.

O ténis de mesa do Sporting amealhou títulos nacionais numa quantidade recorde insuperável a curto prazo. Entre 1984-85 e 1994-95 ganhou 11 Campeonatos Nacionais consecutivos e desde o início da competição, nos anos quarenta, até à actualidade já soma 28 títulos máximos ao nível de equipas.

No bilhar, os representantes do Sporting assumiram igualmente nível europeu, em termos individuais e colectivos.

Um novo ciclo
Em 1996 o Sporting iniciou um novo ciclo de vida, por acção de José Roquette e outros dirigentes caracterizados por uma dinâmica transformadora como Miguel Galvão Teles, Dias da Cunha e Ernesto Ferreira da Silva. Aprovou Estatutos adequados à realidade dos tempos modernos, lançou as bases de um grupo empresarial, criou uma Sociedade Desportiva de Futebol, SAD, admitida na Bolsa logo desde 1998. Além disso, o Clube assumiu e dinamizou medidas no sentido de estabelecer a transparência no desporto e nas relações deste sector de actividade com as instâncias fiscais e de segurança social.

No âmbito do processo transformador o Sporting avançou de maneira determinada, e ainda antes de Portugal se abalançar na candidatura à organização do Euro 2004, para a modernização de infraestruturas.

As acções integradas neste novo ciclo ficaram conhecidas como “Projecto Roquette”, entendido globalmente como uma dinâmica de modernização do Clube em três frentes: a desportiva, com racionalização e valorização de meios através de formas actualizadas de funcionamento; a patrimonial, capaz de proporcionar a transformação de bens inertes em estruturas desportivas e multifuncionais rentáveis; e a organizacional, caracterizada pelo funcionamento de todo o Clube de forma inovadora, conjugando a dedicação com a profissionalização de acordo com as condições reais, valorizando o presente sem hipotecar o futuro.

Ainda em 1998 o Sporting iniciou todo o processo de idealização e construção de um estádio de nova geração, ao nível dos melhores do mundo, que veio a ser inaugurado em 6 de Agosto de 2003 numa noite emocionante e inesquecível para todos os sportinguistas.

Em 2002 entrou em funcionamento a Academia Sporting, no concelho de Alcochete, um empreendimento a que corresponde um grande esforço para aprofundar a capacidade e a qualidade desde sempre revelada pela famosa escola de talentos do Sporting e que proporciona excelentes condições de trabalho ao futebol profissional.

No âmbito das mudanças, os responsáveis sportinguistas, com José Roquette à cabeça, definiram como objectivo manter e reforçar o alto nível competitivo das equipas e atletas do Sporting, designadamente o futebol, a modalidade mais querida dos sportinguistas.

Em torno do novo Estádio cresceu entretanto o Complexo Alvalade XXI, que reforça a sua multifuncionalidade. A zona onde o Sporting nasceu, se engrandeceu e onde continua a viver foi valorizada, deste modo, com o Edifício Visconde de Alvalade, que alberga a maioria dos serviços do Clube e respectivas empresas; o Edifício Multidesportivo, “casa” do eclectismo que o Sporting continua a manter desde a fundação; o Alvaláxia, centro comercial, cultural e lúdico por onde passam milhares e milhares de pessoas por dia, e não apenas em dias de jogos de futebol; uma Clínica Médica; um Health Club; um Centro de Dia, expressão solidária do Sporting através dos “Leões de Portugal”; e o Mundo Sporting, o novo museu do Clube, o lugar onde sportinguistas e adeptos do desporto podem sentir ao vivo cem anos de uma história fabulosa.

Em 2000, através de uma campanha seguida apaixonadamente por sócios e adeptos, o Sporting voltou a conquistar o Campeonato Nacional de Futebol depois de 17 anos de interrupção. Ao jogo derradeiro, vitória por 4-0 no terreno do Salgueiros, seguiu-se uma festa de âmbito nacional, estendida a todos os sítios do mundo onde há portugueses, que não teve paralelo até hoje, a não ser na que foi proporcionada pelo segundo título nacional em três anos, o de 2002. Uma Taça de Portugal e uma Supertaça Nacional reforçaram a nova dinâmica do futebol do Sporting dentro do ciclo transformador e que teve expressão de relevo mundial em 2005 com a chegada à final da Taça UEFA através de um percurso empolgante. O novo Estádio José Alvalade viveu uma jornada de alto nível em 18 de Maio de 2005: o Sporting perdeu por 1-3 com o CSKA de Moscovo ao cabo de 14 jogos nos quais espalhou a qualidade do seu futebol através da Europa, mas o inêxito derradeiro não apaga a importância da campanha.

Ao longo da sua História, o futebol do Sporting atingiu por duas vezes finais europeias – uma das quais ganhou – e chegou por duas vezes às meias-finais, uma na Taça das Taças, em 1974, outra na Taça UEFA, em 1994. Em ambos os casos perdeu com o vencedor da prova.

À entrada do segundo século de vida o Sporting revela uma invejável saúde desportiva geral que reforça o excelente trabalho que o futebol tem realizado na última década, em todos os escalões, e que continua a dar frutos e títulos.

O Sporting é, com longa vantagem sobre os adversários, a maior potência em atletismo, em andebol, em futsal, em ténis de mesa e domina no sector feminino da natação. Os últimos títulos reforçaram a hegemonia no atletismo e no andebol. No futsal, modalidade relativamente recente, o Sporting tem o maior número de campeonatos nacionais conquistados e adquiriu expressão também ao nível europeu.

Ao mesmo tempo que os atletas sportinguistas lutam pela vitória em todas as frentes, as comemorações do Centenário coincidem com esforços permanentes dos dirigentes de modo a que o Clube esteja cada vez mais preparado para os desafios do presente e do futuro, capaz de viver com as próprias forças. Um caminho ambicioso que se vem concretizando passo a passo, com a necessária consistência.

Afinal foi a ambição de ganhar e de fazer do Sporting um dos maiores clubes da Europa que orientou os fundadores, desde os remotos tempos de um jogo do efémero Sport Club de Belas contra um grupo de Sintra. A obra de todos os sportinguistas aí está, erguida dia-a-dia ao longo de 100 anos, numa interminável estafeta caracterizada por dedicação, paixão e ambição, independentemente de quem transporta o testemunho: um Sporting que é desportivamente o maior clube português e um dos maiores da Europa.

publicado por Caronte às 12:53
link do post | comentar | favorito

.Angelo

.pesquisar

 

.Seja Sócio

.posts recentes

. SPORTING, ACORDA!

. Mediania

. Apresentação de Timo Hild...

. È apenas o Sporting que i...

. Hildebrand e Tales no Spo...

. Jaime Valdés

. Sporting 1-0 BSC Young Bo...

. Sporting x BSC Young Boys

. Liga 2010/11 - Principais...

. Babilonia, a grande prost...

. Nuno André Coelho

. Moutinho prestes a assina...

. Equipamentos 2010/2011

. Sporting - Sarilhense

. Diogo Salomão 4 épocas no...

. Sporting - Sarilhense

. Calendário de Pré-Época

. Gamebox

. Marco Torsiglieri «Venho ...

. Sporting - Maniche, Evald...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO